É possível ser publicado por uma editora no Brasil?

Descobrir como ser publicado não é uma tarefa tão difícil quanto fazer o que precisa ser feito para efetivamente conseguir a publicação. Então, aviso logo aqui no primeiro parágrafo, e eu espero que você o leia (rs), que não há fórmulas mágicas ou secretas.

Escrevi um post sobre como ser publicado no Brasil de forma independente que você pode ler clicando aqui, onde explico o que aprendi sobre as melhores maneiras pelas quais você pode fazer seu próprio livro ou quadrinho se tornarem uma realidade. Inovador? Não. Trouxe algum conhecimento secreto ninja que apenas eu possuo? Não. Mas é informação gratuita e interessante para quem está trilhando (ou pretende trilhar) esse caminho.

Voltando ao nosso tema, ser publicado por uma editora não é impossível, em alguns casos nem difícil. E aqui eu vou deixar os 3 caminhos através dos quais isso pode acontecer.

Ser publicado por uma editora

Ser publicado por uma editora

Um pequeno desvio:

Se você está procurando dicas sobre como se apresentar para uma editora, montar um email, portfólio, etc. Não vai encontrar aqui, sinto muito. Mas em breve farei uma postagem bem com esse foco, então fique ligado.

Vamos tratar das formas como isso pode acontecer, porque é importante falar disso aqui, antes de qualquer coisa, para entendermos os terrenos e caminhos pelos quais é possível ser publicado e então, com isso compreendido, passaremos a falar de como chegar às editoras e aos editores.

As 3 maneiras pelas quais uma editora trabalha:

• O Autor financia

Umas das formas mais simples de publicar seu material é bancá-lo financeiramente. Sim, mas porque você faria isso através de uma editora e não de forma independente? Porque (normalmente) uma editora conhece os caminhos para fazer uma publicação mais eficiente do seu material. Pode oferecer copydesk, pode ter um revisor qualificado e certamente tem fornecedores gráficos baratos e confiáveis. Uma editora também conhece os caminhos para a distribuição do seu material o que facilita a venda.




Ter a assessoria de um bom editor vai além da produção do seu material, mas ajuda na pré-produção. Ajudará a refinar seu livro e vai transformá-lo em um produto. Seu livro terá personalidade gráfica e visual. o editor vai contratar um designer como eu e, se der sorte, ele será eu mesmo ;). E com isso você terá uma arte uma arte mais vendável e um produto mais consistente para competir no mercado.

Essa é a forma mais fácil de garantir que seu material seja publicado através de algum selo editorial.

• Custos divididos – Joint venture

ser publicado - custos divididosA segunda maneira mais fácil de entrar com tudo no mercado editorial e ser publicado é estar disposto a dividir os custos e, por consequência, os riscos da produção editorial. Sim. Riscos:

Imagine o seguinte. Você investe alguns milhares de reais na produção da tiragem de uma obra cujas vendas podem ser excelentes, medíocres ou irrisórias. Por mais que se pesquise o mercado, o risco está lá. Serão caixas e caixas de material guardados e estocados, ocupando espaço precioso que poderia ser aproveitado com algo mais rentável. Acredite, muitas vezes a decisão editorial sobre publicar ou não um material se baseia no espaço para estoque da editora. No meu primeiro podcast conversei com o Artur Vecchi da AVEC editrora sobre algumas coisas nesse sentido, vale a pena conferir aqui.

O estoque é um dos pontos em questão, mas existem diversos outros riscos financeiros, comerciais e até legais.

Quando você está disposto a dividir os riscos e custos você não está apenas facilitando a decisão editorial, mas apostando em si mesmo. Muitos editores com quem converso costumam dizer que os autores chegam confiantes do seu trabalho e da sua obra, tem plena certeza das vendas. Garantem que estarão em eventos, que vão ajudar a vender. Falam sobre todas as ações que vão impactar nas vendas do material, mas recuam quando se fala em participação dos custos. Se você quer ser publicado precisa acreditar em si mesmo, mas talvez, em primeira instância, possa estar preparado para participar dos custos de alguma forma. Nem sempre dividindo meio a meio. Existem muitas formas de fazê-lo.

Diferente da primeira opção, aqui existe o risco do editor, mas a sua disposição pode facilitar uma decisão já que você estará participando ativamente dos investimentos e riscos. Parece significar que, ao menos, você estará mesmo empenhado em cumprir seu papel e esforço na venda e divulgação do produto. *

*Aqui, cabe um à parte. A quem diga que há responsabilidades do autor e do editor em cada etapa da venda e divulgação, independente do acordo de publicação realizado, falaremos disso em breve.

Mas, se eu vou bancar parte do livro, porque não bancá-lo todo? Não seria mais fácil?

Seria, mas tente reler essa segunda parte alterando o editor pelo autor e vice-versa. Quando ambos estão envolvidos comercial e financeiramente haverá um esforço conjunto maior. Ambos sofrem o peso dos riscos e se beneficiarão dos lucros. Se isso representa para o editor uma prova de confiança no material e do seu comprometimento futuro, vale para ele também, certo?

• A editora financia

O último caso e, na minha pouca experiência, o mais comum é quando a editora seleciona a obra do autor e cuida de toda sua produção e custos.

–  Mas… mas… você acabou de falar que…

–  Calma… calma, amiguinho. Eu vou explicar.

Não estou falando de processo de seleção sobre o quê pubser publicado - a editora financialicar, mas o como. As duas opções citadas acimas falam sobre facilitar a sua escolha. São maneiras pelas quais você pode atingir esse sonho de ser publicado por uma casa editorial com um selo de verdade. (não vou entrar no mérito da validade de cada publicação e se há vantagens em ser publicado ou não de forma comercial ou independente). Se você quer saber sobre publicação independente, consulte a primeira parte desse artigo, aqui.

No Brasil, a maneira mais comum (não a mais fácil) de ser publicado por um selo editorial é mesmo sendo selecionado no critério de cada editora. Nesse caso a editora “acredita” na sua obra e fará todo o investimento necessário para que ela aconteça. Com isso ela é dona dos direitos de comercialização, divulgação, imagem e o que for necessário para vender seu livro/obra.



Independente disso, o autor ainda tem direito a royalties (parte proporcional das vendas), mas isso será menor, certamente, do que os lucros que teria caso investisse na sua produção.

Se esse é o caminho que você vai trilhar, seja por questões financeiras ou conveniência, você precisa cuidar de algumas situações:

  1. Ter sua obra pronta.

    • Você precisa ter seu material concluído. Pouquíssimas editoras vão investir sequer tempo para avaliar uma obra em andamento que não se sabe bem para onde vai seguir. Em alguns casos isso pode acontecer, mas na maioria deles o editor gostará de ter acesso às decisões de trama e roteiro do material.
    • Você pode ser um cara de quem os editores encomendam livros, mas então, nem sei porque estaria lendo isso aqui ;).
  2. Encontrar a editora certa.

    • É importante pesquisar. SIM! Falamos disso numa conversa entre mim e o Pedro Nogueira (gravada no podcast aqui.) A editora tem sua linha e não vai fugir dela por você, acredite.
    • Algumas editoras publicam estreantes, outras não. Algumas publicam autores nacionais, outras não. É importante conhecer isso para não perder o tempo de todo mundo.

É possível!

O mercado aqueceu um pouco, estagnou, cresceu um pouco mais, enxugou e agora voltou a crescer. Editoras novas pipocam por ai e algumas, mesmo pequenas, já se estabelecem no mercado com lançamentos regulares. Há espaço para novos autores seja de quadrinhos ou literatura. Há mercado para os infantis, juvenis e adultos. Fantasia e crônicas.

O que é necessário é mesmo um pouco de trabalho e esforço pessoal. Um amigo diz que você deve dedicar pelo menos 1(uma) hora por dia no seu sonho se é que deseja que ele se realize.

Então, força, foco é fé! É assim que se chega lá.

Deixe seus comentários abaixo, caso tenha dúvidas ou queira trocar uma idéia, pode escrever por ai que estou sempre acompanhando.

Comments

comments